Sensores Fotográficos – Principais diferenças

 

Quando você vai comprar uma DSLR, ou mesmo uma lente para sua câmera, é muito útil conhecer os diferentes formatos de sensor fotográfico. Vou falar aqui sobre os formatos mais comuns e como eles impactam no desempenho de uma SLR digital.

 Qual a relação entre os sensores full-frame e os filmes fotográficos?

Câmeras DSLR utilizam um sensor digital para captar as imagens, substituindo os antigos filmes fotográficos. Por serem uma evolução das máquinas fotográficas analógicas, a maioria dos sensores das câmeras atuais possuem como base o filme de 35mm. Quando uma câmera diz possuir um sensor full-frame (quadro-cheio), isso quer dizer que o seu sensor é do mesmo tamanho de um filme de 35mm. A grande maioria dos outros sensores deriva deste formato (também existem algumas outras variações que fogem dessa proporção, como o caso do sensor medium format, que é equivalente ao filme 120mm, mas aqui tratarei apenas do formato full-frame e seus derivados).

dicas de fotografia

 A grande maioria das câmeras possui o sensor APS-C  (Advanced Photo System type C), como é o caso da Canon 7D na imagem acima. Este é o sensor mais comumente encontrado por ser menor e bem mais barato, o que reflete diretamente no preço final da câmera. No exemplo acima, ambas as câmeras funcionam da mesma maneira, mas como a full-frame capta uma parte mais ampla da cena, às vezes podemos terminar com duas fotos ligeiramente diferentes não apenas no tamanho da imagem, mas também na nitidez e quantidade de desfoque do fundo, mesmo usando as mesmas configurações e lentes.

dicas de fotografia

Profundidade

Imagine que  está fotografando uma flor usando uma câmera  com sensor APS-C. Você se aproxima da flor para que ela encha toda a foto, mas por trás está o gramado, e ele tira um pouco da atenção da flor, para resolver isso você decide borrar o fundo abrindo o diafragma, diminuindo a profundidade de campo. Agora com a flor em destaque, você tira a foto e pronto, a grama está borrada e não é mais uma distração.

Agora você pega a sua outra câmera, ainda com a mesma lente e mesmas configurações, mas esta possui um sensor full-frame. Parado na mesma posição onde a primeira foto foi tirada, assim que você coloca o olho no visor já percebe que a diferença é imensa: é possível ver todas as partes da cena que tinha sido cortada, a flor parece estar bem mais longe e não preenche mais toda a foto. Agora existem duas opções, ou tirar a foto do mesmo lugar e depois cortar durante a edição, para obter o mesmo resultado da foto anterior, ou você pode aproximar-se da flor.

Ao aproximar-se da flor ela novamente enche toda a foto, mas como você está “fisicamente” mais perto, a perspectiva da flor parece um pouco mais extrema. Agora você também está focando mais perto e ao fazer isso a profundidade de campofica menor. Ou seja, o fundo fica ainda mais borrado! Mesma flor, mesma lente, mesma abertura, e até a mesma composição, mas o resultado da câmera full-frame é diferente.

Macro

Agora você decide tirar uma foto macro, pega as duas câmeras e sai à procura de um inseto. Você vê uma borboleta na mesma flor de antes, mas se chegar muito perto ela pode voar! Neste caso então o melhor é usar a câmera com o sensor APS-C, já que com ela é possível trabalhar a uma distância maior do inseto. Mas isso não é tudo, em fotografia macro é muito difícil conseguir profundidade de campo suficiente, então um pouquinho mais de espaço para focar é melhor. Como falamos antes, quanto maior a distancia do modelo, maior a profundidade de campo.

Objetos distantes

Ter um sensor que apenas captura o centro da cena às vezes pode ser vantagem. Para quem fotografa pássaros, por exemplo, ter um sensor APS-C é como ter uma lente mais longa.

As câmeras Canon APS-C normalmente tem o crop factor (fator de corte) de 1.6, já as Nikon APS-C (conhecidas também como Nikon DX), tem o fator de corte de 1.5. O crop factor algumas vezes é chamado de “fator multiplicador” porque você pode usar este número para calcular como a lente da câmera funciona em relação ao seu sensor.

Por exemplo, uma objetiva de 100mm em uma câmera com sensor fotográfico full-frame se comporta como uma lente de 100mm. Mas se colocarmos a mesma lente em um corpo que tenha um sensor de crop factor 1.6, o enquadramento será de 1.6 x 100mm = 160mm, ou seja, seria quase o mesmo que usar uma lente de 160mm.

Fazer isso é quase como aumentar o tamanho da lente teleobjetiva. Mas como falei anteriormente, o sensor APS-C não magnifica a imagem, ele apenas corta as bordas dando a impressão de que o modelo está mais perto. Apesar de ser uma enorme vantagem para fotografar esportes ou vida selvagem, também pode atrapalhar bastante quanto você quiser tirar fotografias de paisagem ou lugares onde há pouco espaço.

dicas de fotografia

 

Full-frame VS APS-C

Câmeras full-frame

PRÓS:

  • Aproveita ao máximo as grande-angulares;
  • Permite que o fotógrafo se aproxime mais do modelo/assunto, reduzindo a profundidade de campo, deixando o fundo mais borrado;
  • O sensor fotográfico maior garante fotos com menos ruído;
  • Ótimo para fotografia de paisagens, rua, arte, arquitetura e produtos.

CONTRAS:

  • Mais caro que o APS-C;
  • Mais difícil de “preencher” uma foto ao fotografar objetos distantes.

APS-C câmeras

PRÓS:

  • Mais barato;
  • Teleobjetivas se comportam como lentes mais longas ainda;
  • Ótima escolha para fotografia de vida selvagem, esportes e macro.

CONTRAS:

  • Diminui o ângulo de visão das grande-angulares;
  • O fundo pode ficar um pouco mais em foco, e conseguentemente mais distrativo;
  • O sensor menor as vezes pode resultar em imagens com um pouco mais de ruído.

 

Tamanho de sensores com alguns exemplos de câmeras

dicas de fotografia

Written by

Analista de SEO, Blogger @ F/P, fotógrafo amador e programador. Alternando as atividades entre Marketing Digital e o blog, sempre tentando compartilhar o que aprende de legal.

Últimos comentários
  • O melhor post que já vi. Obrigado. Bem explicativo. Você é fera.

      • Desculpe mas onde vc diz que borrar o fundo deve abrir o obturardor,
        não seria abrir o diafragma para diminuir a profundidade de campo?

        Att. Gilmar

        • Lucas Novaes

          Olá Gilmar! às vezes o cérebro dá um nó! Hahahaha
          Já corrigimos o texto. Obrigado pela força! =]

  • Muito obrigado pela explicação, tirou varias duvidas de uma forma fácil, simples e direta!! 😉

  • Muito competente e prática a sua explicação. Painéis C-MOS cada vez menores, mas de granulações e qualidade cada vez maiores; aliados às últimas tecnologias na “pureza” das lentes, por exemplo, de policarbonatos; já estão mudando e mudarão para sempre a história da fotografia e da indústria de máquinas fotográficas. Inexorável. Creio que só não mudam mais rápido para não falir de vez e muito rápido todo um setor, com centenas de empresas.

    • MUITO BOM !!!!!!
      Muitas dúvidas já foram !
      muito obrigada !

  • Quais são as parte do sensor onde localiza os sais de Prata.

  • Muito bom.

  • Parabéns pelo post. este foi o mais completo em linguagem simples que encontrei.
    é um bom objeto de estudo.

    • Lucas Novaes

      Oi marina, nós que agradecemos a sua visita. boas fotos!

  • Estou em busca de uma lente para minha modesta EOS t5. encontrei vários modelos de TELE, mas não sei qual escolher. COmo a T5 utiliza o APS-C, qual lente me indicariam?

  • Prezados Srs.

    Estou precisando urgentemente de um sensor sony modelo ICX285AQ-f , vcs poderiam me fornecer ou me indicar onde poderia conseguir este sensor

Deixe um comentário